Início Notícias Suspeito matou ex-namorada grávida porque não queria filho negro

Suspeito matou ex-namorada grávida porque não queria filho negro

AM: As investigações da Polícia Civil apontam que o crime foi cometido porque a vítima era uma mulher negra e o autor teria declarado aos amigos dela que jamais teria um filho com características dela.

 
Suspeito foi preso por matar a ex-namorada grávida de sete meses em Manaus — Foto: Divulgação

Victor de Souza Rocha, de 21 anos, suspeito de matar a ex-namorada, Karine Sevalho Lima, que tinha 19 anos e estava grávida de 7 meses dele, foi preso nesta terça-feira (21) em Manaus. As investigações da Polícia Civil apontam que o crime foi cometido porque a vítima era uma mulher negra e o autor teria declarado aos amigos dela que jamais teria um filho com características negras.

O caso foi presidido pelo Núcleo de Combate ao Feminicídio (NCF) da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), que faz avaliações para estipular o crime como feminicídio e, também, analisa a questão do crime de racismo.

Segundo o delegado Ricardo Cunha, titular da DEHS, a vítima e o autor eram namorados e, ao descobrir a gravidez, ele começou a importunar a jovem para que ela fizesse um aborto.

A vítima foi encontrada morta em uma área de mata no dia 26 de maio de 2022. Segundo a polícia, ela estava com o rosto desfigurado, sinais de agressões e torturas, além de perfurações de arma branca pela região de todo o corpo.

“No dia do crime, Karine teria ido encontro ao Victor, para informar que sua família tinha conhecimento de que ele seria o genitor do bebê e afirmar que não iria realizar o aborto. As investigações apontam que eles tiveram um desentendimento em razão do autor não ter aceitado o posicionamento da vítima, o que o levou a tirar a vida dela”, explicou o delegado Ricardo Cunha.

A prisão de Victor ocorreu na comunidade Monte Sinai, bairro Cidade Nova, Zona Norte de Manaus. O delegado informou que ao ser capturado ele permaneceu em silêncio.

“Ele estava na casa de familiares. Desde a época do crime ele não havia sido mais visto, tentamos efetuar a prisão dele por diversas vezes, mas ele estava foragido. Ele está acompanhado de um advogado e quis exercer o direito de permanecer em silêncio e não colaborou com as investigações”, contou o delegado.

Segundo a polícia, Victor deve responder por homicídio qualificado e ficará à disposição da Justiça.

 

g1

DELEGADOS.com.br
Portal Nacional dos Delegados & Revista da Defesa Social