Nov 25, 2020

Polícia Civil prende quadrilha especializada em roubo de gados

1
0
0
s2smodern

MATO GROSSO

Uma quadrilha especializada em roubos de gados foi desarticulada pela Polícia Judiciária Civil, na região Médio-Norte, na manhã desta quarta-feira (19.05). Seis mandados de prisão temporária e oito de busca e apreensão domiciliar foram cumpridos na operação “Boi Gordo”, coordenada pela Delegacia Regional de Diamantino em conjunto com a Regional de Tangará da Serra.

As ordens judiciais foram cumpridas nos  municípios de Jangada, Chapada dos Guimarães, Nobres e Tangará da Serra por cerca de 40 policiais civis. Seis integrantes do grupo criminoso, considerado de alta periculosidade, foram presos. São eles: Edson José de Almeida Meira, o “Edinho Meira”, chefe do bando, Josenil Rodrigues da Silva, o “Zeca”, José Hermínio Alves Pedroso, o “Zé”, Paulo Vilela Siqueira Meira, o “Nho”, Joelson Bomdespacho Santana Alves, o “Pantaneiro” e Valdinei Nascimento Pinho.

As investigações iniciaram pela Delegacia Municipal de Nobres (146 km a Médio-Norte) após o furto de 72 cabeças de gado da fazenda Barra do Arinos, situada na estrada do “Boteco Azul”, acesso para Trivelato, em Nobres, no dia 02 de setembro de 2009. Os assaltantes permaneceram no local por quase todo o dia e deixaram o caseiro e sua família trancados dentro da casa.

No período de 8 meses, a Polícia Civil levantou informações de que quadrilha, liderada por Edson José de Almeida Meira, o “Edinho Meira”, também está envolvida em roubos de veículos e tráfico de drogas. Conforme o delegado responsável pelo inquérito policial, Wagner Bassi Junior, “trata-se de uma quadrilha poderosa altamente organizada, criada para obter grandes receitas através de seus crimes”. De acordo com o delegado, além da influência, a quadrilha possui estrutura “eficiente com o fim de dificultar as investigações”, a exemplo, de açougues, matadouros próprios e a facilidade de obtenção de Guias de Transporte Animal (GTA).

A mesma quadrilha foi alvo das investigações que culminaram na operação “Campeiro”, deflagrada em 2002 pela Polícia Civil em Tangará da Serra. Nos roubos praticados, a quantidade de gado era sempre em grande número de cabeças e a quadrilha contava com auxílios de informantes, a exemplo do caseiro da fazenda Barra do Arinos, Valdinei Nascimento Pinho. “Se há percalços devolvem o gado aos seus proprietários evitando ações policiais”, complementou o delegado Wagner Bassi.  

O delegado regional de Diamantino, Wilson Leite, disse que o trabalho envolveu as duas Regionais da Polícia Civil devido atuação da quadrilha em fazendas localizadas nas duas regiões.

Cada cabeça de gado custa cerca de R$ 1,5 mil, assim num roubo de 70 cabeças há uma receita de R$ 105 mil à quadrilha. Os presos serão ouvidos na Delegacia Municipal de Nobres. Todos vão responder por roubo qualificado e formação de quadrilha.

Em Jangada, na casa do chefe da quadrilha, "Edinho Meira", a Polícia Civil apreendeu armas, várias muniçoes e computadores contrabandeados.

LUCIENE OLIVEIRA
Assessoria/PJC-MT


DELEGADOS.com.br
Revista da Defesa Social
Portal Nacional dos Delegados
1
0
0
s2smodern

Destaques